sexta-feira, 17 de abril de 2009

Guardião - Despertar

Meio dia. Sol a pino. No meio de um deserto.
Em meio a cactos e mato rasteiro, terra e rochas, um pequeno lagarto observa uma estranha figura, algo que não estava lá no inicio da manhã quando ele saíra pra caçar. Rastejando pelo solo escaldante, praticamente deslizando por sobre a areia fina, ele se aproxima da figura, instintivamente cauteloso. Se fosse capaz de pensar, de distinguir, já teria identificado a figura como um homem, mas em seu cérebro primitivo, aquilo não passa de uma nova chance de conseguir abrigo ou comida, com sorte, os dois.

Os dois braços e pernas parcialmente enterrados lhe parecem raízes de uma estranha planta, o torso virado pra cima sugere uma formação rochosa. Ele se aproxima. A cada passo a figura se agiganta diante do minúsculo lagarto. Agora ele está totalmente encoberto pela sombra da estranha figura, e novamente para e observa, sendo atormentado por uma batalha de instintos, um lhe alerta do perigo, o outro lhe instiga a explorar. A curiosidade enfim supera o medo. Ele escala o corpo pelos ombros, com dificuldade, pois suas patas não são equipadas para aderir a superfícies metálicas. E há metal cobrindo o corpo, uma armadura. Uma armadura verde-negra e fosca, manchada e trincada, mas surpreendentemente brilhosa. Um brilho quase sobrenatural. Um brilho que chamou atenção não só do diminuto réptil, mas também de outras criaturas que habitam o deserto.

Do norte, um gigantesco Lobo-do-deserto se aproxima a passos largos, sem temer nada, pois é o dono do deserto, o maior predador dessa zona árida e morta. Mas mesmo ele é afetado pela longa seca que acomete o deserto, já se vão muitos meses sem uma única chuva. Sem chuva não há água, sem água a cadeia alimentar normal não pode ser seguida, plantas, insetos e mamíferos, todos morrendo aos milhares, e ele não pode caçar. Sua fome só aumenta. Nem mesmo os animais carniceiros ficam impunes, os corpos dos mortos são rapidamente engolidos pela areia do deserto. E a população do deserto diminui cada vez mais. Os grandes lobos, outrora animais de matilha, agora brigam entre si, cometendo até mesmo canibalismo. Irmãos se matam disputando caças, mães comem filhotes doentes, e, se essa estiagem incomum não cessar, os filhotes sadios serão os próximos.

O lobo que se aproxima é um exemplar magnífico da espécie. Chegando a quase um metro e meio de altura, o corpo ostenta várias marcas de combates, e o fato de ele continuar vivo sugere que ele foi o vencedor de todos. Os caninos do tamanho de facas, e mais afiados que elas, ainda manchados de sangue de sua última disputa saltam da sua enorme boca, deixando a impressão que uma única mordida dele é capaz de partir um homem ao meio. E é uma impressão correta. Os olhos, de um vermelho profundo e malévolo, estão fixos na movimentação do pequeno lagarto a sua frente. No lagarto e não no corpo.

Sua pelagem espessa e de cor dourada serve tanto pra proteger do vento cortante carregado de areia quanto pra camuflagem. Não fosse as manchas de sangue seco espalhadas pelas costas e focinho, o cheiro de carniça e morte que o acompanha ou o ranger dos dentes que a muito não cortam carne alguma, ele passaria completamente despercebido, pois apesar de seu corpo maciço, ele caminha leve pelas dunas. Suas pegadas se desfazem em segundos, ele caminha rápido demais pra deixar marcas profundas. Ele avança.

O Lagarto continua sua exploração, tenta achar buracos pela armadura, procura abrigo, mas descobre que a ela é impenetrável. Ele corre pelo peitoral da armadura, passa sobre uma inscrição em alto-relevo, um desenho gravado em ônix. Finalmente ele encontra uma fresta, um pequeno e estreito buraco, feito de fora pra dentro, na altura do pescoço. Mesmo esse buraco ainda é pequeno demais pro lagarto que tenta sem sucesso se infiltrar, instinto de sobrevivência falando mais alto, já sente a presença do lobo. Ele sobe, passa pelo então despercebido rosto da figura semi-enterrada, e descobre dois lugares pra se esconder. A figura não tem olhos.
O lobo agora já está bem próximo, cheira o corpo, todos os pelos do seu corpo se eriçam, ele sente em suas entranhas que aquilo não pertence ao deserto, que mesmo ele, o maior dos predadores, deve temer a figura negra que se projeta pra fora das areias. Ele sente que deve se afastar. Mas não o faz. A fome é maior, e ali está a chance de sobreviver mais algumas semanas. Ele abre a boca devagar, mandíbulas grandes o bastante pra abocanhar todo o torso enterrado. Fome contra medo, a fome sempre vence. Ele morde com força suficiente pra esmagar rochas, mas ao invés estraçalhar o corpo, seus dentes se partem e estilhaçam. Ele pula pra trás em claro desespero, a boca sangrando, ganindo de dor. O lobo esperneia saltando, e de súbito pára, calado, sem emitir som algum.

Uma luz fraca e azulada vem da direção dos olhos, mas o lagarto a ignora, estava atento ao movimento que veio debaixo da terra, uma lâmina negra e brilhosa subiu tão rápido que o lobo não teve chance, e em instantes partiu a barriga do logo longitudinalmente, matando-o em segundos. Praticamente hipnotizado, o lagarto não percebe a figura se levantando, e a luz que vem dos olhos, mesmo lugar que ele havia escolhido como abrigo, aumenta de intensidade à medida que a espada negra absorve o restante de vida no corpo do lobo. Já de pé, a areia escorre do corpo da figura. Armadura completamente escura, tons de verde e preto, espada longa de lâmina estreita em punho, os olhos brilham com intensidade absurda, transformando a pobre criatura em pó pelo simples contato.

O Guardião Insano havia novamente despertado, e sua espada havia mais uma vez provado o gosto da matança. Esse mundo não está preparado pra o que o Arauto do Caos representa...

2 comentários:

  1. Narrativa bem endosada. Surpreendentemente narrada ao ponto de termos medo dessa criatura que jaz com sua armadura no meio do escaldante deserto. Parabens Gordinho! Quero ler mais!

    ResponderExcluir
  2. bem narrado nos mínimos detalhes!!muuuito bom!!

    ResponderExcluir

 
Free Domain Name - www.YOU.co.nr!